Baixa: mais um despejo ilegal com conivência policial

Texto: Habita!


4 de setembro: mais um despejo ilegal forçado por um proprietario sem escrúpulos e ganancioso que deu um prazo de oito dias para as iquilinas e inquilinos sairem da casa, sem apresentar qualquer motivo, e não devolveu a caução devida de 800 €.

Apesar dos inúmeros problemas estruturais da casa (falta de manutenção, infiltrações, etc) que nunca foram resolvidos os inquilinos pagavam uma renda elevada.
Além da falta de alternativa de habitação, moradoras e moradores recusavam-se a sair devido a várias ilegalidades por parte do senhorio, que apresentava um nome falso, e que não deu aviso formal com antecedência necessária de desocupação da casa, não devolveu a caução, e não passou recibos das rendas pagas fugindo ao pagamento de impostos.

Ao longo do processo, solicitou-se diálogo com o proprietário no sentido de se encontrar uma solução adequada e justa mas este negou e, apercebendo-se que as pessoas negavam sair espezinhadas passou para a intimidação: ameaçou e agrediu física e psicologicamente quem ali vivia, invadiu a casa diversas vezes, depois cortou água, gás e luz e, finalmente trancou a porta do prédio sem entregar nova chave às inquilinas/os deixando-as reféns, fechados/as com ele dentro do prédio durante longas horas.

A polícia esteve no local diversas vezes: foram apresentadas queixas na esquadra ao longo do tempo devido às ameaças, agressões, e finalmente, o encarceramento das pessoas no prédio. A polícia apenas tomou conta da ocorrência, ambivalente sobre o que ali se passava, não considerando que o que estava a ser feito era a tentativa de um despejo ilegal e violento apesar de não existir ordem judicial de despejo. O despejo criminoso acabou por ser consumado, perante os olhos da polícia ali presente. Exaustos da pressão que durava dia e noite, inquilinos e inquilinas saíram sem verem sequer restituída a caução.

Resistiram valentemente às ameaças e agressões, permaneceram na casa o tempo que conseguiram, saíram com toda a grandeza e dignidade de quem luta. Foram também apoiadas/os prontamente por várias dezenas de pessoas que se juntaram dentro e fora da casa em solidariedade para protestar, apoiar e defender as vítimas. Foi um dia de denúncia, de protesto e de resistência importante, em que novas pessoas se juntaram e engrandeceram esta luta.
Apesar de suspensos por lei, os despejos continuam a acontecer de forma ilegal e impune mesmo perante a polícia. Perante a enorme crise social e económica muitas pessoas não têm – e não terão – como pagar a renda ou comer.

Os despejos não podem ser retomados e os despejos ilegais têm de ser combatidos. Se o Estado não está à altura de defender as pessoas, teremos de ser nós a organizar-nos e a impedir proprietarios sem escrúpulos e gananciosas de o fazer.

Organizemo-nos! Juntem-se à luta!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s